quinta-feira, fevereiro 05, 2009

A Des. Jane Silva deixa o STJ e retorna para o TJMG - Ela vai ser substituída pelo Des. Celso Limongi do TJSP

Celso Limongi vai substituir Jane Silva no STJ

Celso Limongi - Jorge Rosenberg

O desembargador Celso Luiz Limongi, que já foi chefe do Judiciário paulista, vai substituir a desembargadora convocada Jane Silva no Superior Tribunal de Justiça. A decisão foi tomada por unanimidade nesta quarta-feira (4/2) pela Corte Especial do STJ.

Limongi vai atuar na 6ª Turma do STJ. A mineira Jane Silva deixa a corte na sexta-feira (6/2) para retornar ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais

A convocação está prevista no artigo 56 do Regimento Interno do STJ, segundo o qual, em caso de vaga ou afastamento de ministro por mais de 30 dias, pode ser convocado juiz de Tribunal Regional Federal ou desembargador de Tribunal de Justiça.

Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo durante o biênio 2006/2007, Limongi foi responsável pelo projeto para reformular o plano de cargos e carreiras do Judiciário estadual após pesquisa que constatou que, de cada três funcionários do TJ-SP, apenas um trabalhava com a atividade razão de ser do Judiciário, ou seja, o andamento do processo.

Ao criticar a morosidade da Justiça, ele justificou com um exemplo: “A petição inicial é autuada em primeira instância. No tribunal, é reautuada. Em qualquer apelação, o procedimento é repetido. Só para esse trabalho, precisamos manter 180 funcionários no Tribunal de Justiça”, afirmou. Em sua gestão, 90% da rede do TJ foram informatizadas.

Em entrevista à revista eletrônica Consultor Jurídico (clique aqui ler), se mostrou contra o uso indiscriminado de grampos em investigações. Na ocasião, disse que “não tem o menor sentido iniciar uma investigação por meio de grampo. Não se investiga mais. Coloca-se o grampo, que faz todo o resto. Está errado”, disse. O magistrado acredita que as gravações telefônicas só podem ser autorizadas nos casos em que existem sérios indícios contra o investigado.

Ainda como presidente do TJ de São Paulo, conseguiu promover eleições para a escolha dos membros do Órgão Especial, comemorando a “abertura democrática” de um órgão tradicionalmente conservador.

Fonte : Consultor Jurídico


Marcadores: ,

0 Comentários:

Postar um comentário

Link para a postagem:

Criar um link

<< Voltar à página principal